Ainda mais sobre a Maratona do Escritor…

Olá, car@ internauta, visitante ocasional ou cliente já da Árvore Pedro II Comunicação: Bem-vind@!

Conforme prometido a vocês, nós iremos tratar em específico nesse post do marketing literário e artístico-cultural, já que é um tema de “graaaande” interesse à maioria das pessoas que trabalham com literatura (seja lá de que gênero literário for!), projetos experimentais em e-books, quer sejam audiobooks, ou fotobooks, ou vídeobooks, brailebooks, librasbooks, etc. e também aqueles que buscam empreender juntamente ou em paralelo a esses, com o marketing artístico e cultural.

Durante esse período, assistimos a muitas entrevistas e a várias aulas, literalmente “aulas”, disponibilizadas no canal do YouTube pela equipe da Agência LC, sob comando da Lílian Cardoso, profissional com mais de 12 anos de experiência formal no mercado do livro e expert em lançamentos, promoções e marketing literário para os(as) mais diversos tipos de autores (as). Detalhe: a Equipe da LC e a Lílian Cardoso realizam o curso Escritores Admiráveis e Escritores Publicados, saiba mais no site da agência em : www.liliancardoso.com.br e se puder faça o curso, as vagas são limitadas.

O que pude perceber e compreender é que este mercado está em franca expansão e desenvolvimento no Brasil inteiro, haja vista a incidência de diversos fatores como: aumento do número de pessoas escolarizadas no país desde a creche e pré-escola até níveis de profissionalizantes, tecnológicos, universitários e de pós-graduação; alto crescimento do interesse do público pela leitura e escrita – inclusive bem para além do que é exigido pelas escolas, colégios, faculdades e universidades como leituras básicas de formação (isso não só em grandes centros metropolitanos, mas em pequenas, médias e grandes cidades, no Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul brasileiros como um todo); ampliação bastante considerável do número de eventos do setor, como: bienais, salões, feiras, festas e encontros literários por todo o território nacional, principalmente em festas e ações já constantes do calendário de eventos desses municípios e estados, sendo as principais em: São Paulo(capital), Ribeirão Preto, Jundiaí, Mantiqueira, São Miguel Paulista, Votuporanga, Itu, Bragança Paulista, Itapecerica, Ribeirão Pires, Santo André, São José dos Campos-São Paulo, São Sebastião do Rio de Janeiro(capital), Niterói, Paraty, Volta Redonda, Resende, Visconde de Mauá, Cabo Frio, Rio Bonito, Vassouras-Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Montes Claros, Campo Belo, Uberaba, Uberlândia, Ituiutaba, Carandaí, Tiradentes, Poços de Caldas, Araxá, Carmo da Mata-Minas Gerais, Vitória, Cachoeiro do Itapemirim, Cariacica-Espírito Santo (Sudeste); Porto Alegre, Santa Maria, Bento Gonçalves, Canoas, Gramado, Constantina, Viamão, Caxias do Sul, Torres, Nova Petrópolis, Lajeado, Bom Jesus, Santa Cruz do Sul, Taquara-Rio Grande do Sul, Florianópolis, Criciúma, Joinville, Içara, Chapecó, Itajaí, Serra Catarinense, Rio do Sul, Garopaba,Gaspar, Jaraguá do Sul, Penha-Santa Catarina, Curitiba, Maringá, Londrina, Toledo, Foz do Iguaçu, Morretes-Paraná (Sul); Campo Grande, Dourados-Mato Grosso do Sul, Cuiabá-Mato Grosso, Brasília, Taguatinga-DF, Goiânia, Pirenópolis, Goiás Velho-Goiás, Palmas, Dianópolis-Tocantins (Centro-Oeste); São Luiz-Maranhão, Teresina, Barra Grande, Parnaíba, Campo Maior, Pedro II, Floriano, Oeiras, Picos, Valença, Uruçuí, Bom Jesus, São Raimundo Nonato, São João do Piauí-Piauí (meu estado natal!), Fortaleza, Aquiraz-Ceará, Natal, Mossoró, Pipa-Rio Grande do Norte, João Pessoa, Campina Grande-Paraíba, Recife, Olinda, Caruraru, Petrolina-Pernambuco, Maceió, Marechal Deodoro-Alagoas, Aracaju-Sergipe, Salvador, Praia do Forte, Itapé, Barreiras, Vitória da Conquista, Belo Campo, Cachoeira, Sul da Bahia, Porto Seguro-Bahia (Nordeste); Belém, Altamira, Santarém – Pará, Porto Velho, Ariquemes-Rondônia, Macapá, Calçoene-Amapá, Manaus-Amazonas, Boa Vista, Rorainópolis-Roraima, Rio Branco, Cruzeiro do Sul-Acre (Norte).-*

-* Pesquisa virtual, com dados pesquisados junto ao site do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), site da Associação Nacional de Livrarias (ANL), site biblioo.info (tag > Eventos literários no Brasil) e fontes diversas coletadas em portais regionais e estaduais, municipais, sites de feiras e eventos literários disponíveis na internet, além de pesquisa em acervo pessoal com relação ao meu estado de origem, Piauí (obs: atualizado até setembro/2022).

Sobre o marketing literário, o que posso falar com propriedade é sobre minha experiência pessoal de vida, durante os diversos Salões do Livro do Piauí – SALIPI que participei, desde sua origem, lá mais ou menos no início dos anos 2000; dos vários saraus e encontros de poetas e poetisas que pude participar na cena cultural de Teresina-PI de 2000 a 2015; e da minha experiência com um projeto que desenvolvi com alguns amigos(as) chamado Folheto Cultural do Piauí, na época em que ainda estudava na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e buscava fomentar o surgimento de novos autores(as) a partir desse folheto.

Salão do Livro do Piauí – SALIPI

O Salão do Livro do Piauí – SALIPI é o principal evento literário do estado, um evento que vem evoluindo e expandindo bastante, inclusive com seus eventos “filhotes” em diversos municípios do estado, de norte a sul; porém, considerando que o auge mesmo em termos de público, diversidade e presença de autores(as) renomados, emergentes e iniciantes é o evento que hoje é realizado no espaço do centro de convivência da UFPI, em Teresina-PI, por ter uma infraestrutura, dimensão, acessibilidade, logística, mobilidade e estacionamento mais adequada ao evento no seu porte atual. Sobre esse evento eu já participei como estudante do ensino médio, como estudante universitário e como repórter de rádio, ocasiões em que pude ter contato com muita gente boa, dentre professores(as), escritores(as), livreiros(as), editores(as), artistas, jornalistas, etc. Poderia falar muito sobre esse evento, que já passou pela Praça Pedro II no centro da cidade, logo no início, passou pelo antigo Centro de Convenções de Teresina (este hoje reformado e com um espaço propício de realização de eventos completamente novo) e veio a estabelecer-se mais recentemente na UFPI; mas, o que eu gostaria de frisar é sua importância, que levou à criação da Fundação Quixote, que é a entidade responsável pela realização do evento e que, creio eu, fomenta e estimula o surgimento dos eventos “filhote” do mesmo em vários municípios piauienses. Pode-se dizer até que, a pré-história do SALIPI, se é que se pode dizer isso, pode mesmo ter surgido com as mega revisões literárias para o vestibular que aconteceram por essa época no Teatro 4 de setembro, situado ali no complexo da Praça Pedro II, com a iniciativa dos professores Cineas Santos, Luiz Romero, Wellington Soares e Nílson Ferreira, dentre outros grandes renomados autores, professores e literatos locais, que sempre foram homenageados, lecionaram e prestigiaram esses eventos, respectivamente. E isso deu um “boom” na estudantada e professorada também, que viram ali a oportunidade de um evento maior e melhor ainda, justamente para dar vazão a cultura livresca e movimentar o mercado editorial estadual e regional mais próximo, donde veio a surgir, assim, o nosso salão literário piauiense. E nesse ínterim o marketing literário desenvolveu-se de forma exponencial e muito mais robusta, com o incentivo das escolas, colégios, faculdades, universidades, etc. a que seus alunos, servidores e professores, e na esteira destes suas famílias e amigos(as), convidados(as), visitantes, turistas a se interessarem, frequentarem e a consumirem o produto livro, inclusive motivando a criação de novas gerações de leitores(as). Esse é um ponto.

Saraus literários e culturais

O outro ponto que eu posso falar aqui é o da realização de saraus literários e culturais, no qual posso falar com muito amor e carinho por ter frequentado os mais em evidência naquela época, no meio estudantil principalmente, lógico, pois era o que eu era naquele instante – estudante, e estava lá para aprender, vivenciar e “experienciar”, além de aprender para passar a “chama” literária adiante no futuro. Foram momentos e lugares maravilhosos, em que a juventude local universitária, artistas, produtores(as) culturais, poetas e poetisas, prosadores(as), enfim, uma jovem plêiade se formava e eram pessoas que realmente buscavam ler, pensar, refletir e escrever com paixão e vivacidade o seu cotidiano, as histórias e as escrituras de vida que desenvolviam tinham o elã daquele momento histórico-geográfico-intelectual. Assome-se a isso o fato de terem surgido vários movimentos e projetos literários nesse período, alguns bem vanguardistas mesmo (lembro por exemplo do folhetim Prelúdio na UFPI, do movimento Poezine, da Revista Trimera, e tantos outros…) e também uma outra coisa que notei foi a ampliação da quantidade de livrarias na cidade (Teresina), a ampliação do número de faculdades, mobilizações artísticas, projetos culturais, lançamento de obras, e tudo mais. Assim, esse é o segundo ponto.

Folheto Cultural do Piauí

Uma outra coisa que gostaria de pontuar é sobre um projeto completamente voluntário e quase anônimo em que me vi engajar com alguns amigos(as): o Folheto Cultural do Piauí, uma espécie de jornal literário, que contou com a generosa colaboração da Editora da Universidade Federal do Piauí (EDUFPI) e da Livraria Universitária “Monsenhor Mello”, que além de ceder seu espaço para as reuniões ordinárias, geralmente era quem nos franqueava fazer as matrizes e até cópias daquele distinto jornal, que depois nós nos quotizávamos e do nosso bolso fazíamos quantas fotocópias a gente conseguisse. E distribuíamos pelas universidades (UFPI/UESPI), em faculdades, no Diretório Central dos Estudantes (DCE), nos centros acadêmicos, … enfim, aonde quer que fôssemos ou conseguíssemos ir. Basicamente, esse jornal trazia poesias, pequenas crônicas, pequenos continhos, aforismos, curiosidades de autores locais, às vezes contribuições com entrevistas escritas e divulgações de livros da EDUFPI, bem como dicas de eventos locais. A ênfase era descobrir e divulgar novos autores do meio estudantil, fossem eles quem fossem, o espaço era sempre muito aberto, democrático e receptivo e foi tão bem sucedido que durou um bom tempo e, tive a grata satisfação de saber, que após alguns anos, daquele grupo que compôs o Folheto Cultural do Piauí, e com base num assunto que foi tema diversas vezes de conversas nossas, que tanto debatemos, houve todo um movimento após, mobilizações mil, aparecimento de publicações literárias mais bem elaboradas de outras origens, ampliação do número de autores(as) em emergência cultural e, depois de muita luta, surgiu a Academia de Letras de Teresina – ALT, abrindo uma nova porta para a organização e publicação de autores locais, coisa que tanto defendemos, longe do elitismo e pedantismo que sempre pairava em alguns meios literários mais “elevados”, que ao invés de dar oportunidade, se distanciavam e evitavam as pessoas com novas ideias e ideais. Mais uma vitória para o marketing literário de guerrilha que empreendemos! Este é um terceiro ponto.

Para não concluir, concluindo…

O que busco transparecer com tudo que foi colocado aqui é que, apesar das dificuldades iniciais, da ignorância (desconhecimento) inicial em relação aos procedimentos burocráticos e do processo de publicação de obras e realização de eventos literários e artísticos culturais, da luta por engendrar movimentos, abrir espaços e ganhar momentos marcantes no avanço do cenário e do mercado literário, que já veio nos impulsionando de nossos passados grandes precursores(as) que foram da geração de nossos avós, pais, mães, professores(as), etc. é que nós vivenciamos que, em nosso recente primeiro quarto do séc. XXI, o estado do Piauí deu um salto enorme de qualidade no tocante a democratização do acesso ao saber, à educação, à cultura, à leitura e ao letramento, à escrita e à ilustração, ao desenho, à pintura, à editoração, à publicação, ao consumo e a tudo mais ligado de alguma forma ao mercado literário local e estadual. E isso deverá e deve motivar os(as) nossos(as) crianças, adolescentes e jovens a se inspirar nos exemplos desse passado recente e fazerem a parte deles para nos superarem, progredirem e avançarem ainda mais, pois agora a informação é muito mais acessível, há muito mais oportunidade do que outrora e há pessoas já com mente aberta em todos esses espaços de criação, produção, projetação e difusão literária e artístico-cultural em nosso município, em nosso estado e principalmente em nosso país. Estou citando esse exemplo da cidade de Teresina e do estado do Piauí, mas tenho certeza que por todo canto há histórias semelhantes a essas de superação. Fica registrado essa aqui para fins de motivar e fomentar esse ânimo e essa esperança, do verbo esperançar, nas pessoas que lerem e que se sintam animadas para vencer quaisquer barreiras, obstáculos, dificuldades, atribulações e provações, haja o que houver, e seguir em frente com seus sonhos, ideais e projetos; há ocasião, espaço, tempo e dimensão para todos que queiram buscar a literatura, a arte e a cultura e isso é muito importante na economia criativa e empreendedora que precisamos ter. E estou aqui para ajudar a todos(as) que eu puder, no que eu souber e no que eu entender, óbvio. Era essa minha contribuição após a maratona do escritor a qual participei, aprendi muitíssimo e que gostaria de dedicar a vocês: crianças, adolescentes e jovens, de corpo ou de alma – nunca desistam dos seus sonhos, não importa as injustiças, as maldades, as vilezas que o mundo queira impor a você, que surjam inimigos à sua missão e vocação de vida; você as vencerá sempre, com a justiça, a bondade e a honradez de ir em frente com seus planos de vencer na vida, honestamente, sem precisar lesar ninguém e dando a cada um o que é seu, esses princípios são muito importantes. Aprenda sempre a moral da história: tudo é aprendizado, seja o que é ruim, seja o que é bom. Isso é a vida; viva-a da melhor maneira possível e deixe algo de bom e de belo em sua passagem pela vida! Leia, estude, pesquise, entenda, escreva, publique e dialogue, recomece o ciclo e leve a “chama” literária, artística e cultural adiante, e além, aonde você sequer poderia imaginar chegar. Conte conosco da Árvore Pedro II Comunicação para lhe auxiliar nesse processo!

“Nunca desista dos seus sonhos” (CURY, Augusto)

(por: João Paulo Santos Mourão.)

Planejamento de mídia

O que é, como funciona e para que serve o Planejamento de Mídia.

 

Anotações
Anote suas ideias e procure a gente da Árvore Pedro II Comunicação!

O que vem à nossa mente quando ouvimos, lemos ou nos deparamos com essa expressão: Planejamento de mídia? Às vezes ela causa curiosidade, estranheza e até incompreensão na mente de muitas pessoas, de muita gente mesmo. Vamos tentar explicar a você o que isto quer dizer, como funciona e para que serve de fato.

Planejamento de mídia quer dizer, em nossa compreensão, pensar, desenhar, esquematizar e planejar aquilo que se deseja que um bem, produto ou serviço alcance junto ao seu público-alvo através da mídia, da utilização da mídia. Para que isso aconteça e seja positivo o resultado, isto é, para que o bem, o produto ou o serviço saia da fase de ideia, do imaginário, do pensamento do empreendedor e chegue à realidade do consumidor é preciso planejar e fazer com que a informação certa chegue às pessoas e às instituições certas também. Portanto, planejar a mídia quer dizer em poucas palavras organizar e pensar como “algo” vai chegar ao conhecimento do “público” de maneira que esse público alcance a “compreensão da mensagem” que se quer transmitir.

Como funciona, então, o planejamento de mídia. Vamos partir de exemplos práticos: um profissional qualquer de uma empresa “X” quer ter um produto conhecido no mercado “Y”. O que ele faz? Usa a mídia! Mas que tipo de mídia? Como fazer? A quem dirigir? De que forma?

Para isso existe o planejamento de mídia! Pois qualquer produto que se lance no mercado precisa de um direcionamento, de um caminho a seguir. Se no nosso caso é um produto, ele precisa primeiro criar o ambiente de caracterização do seu produto, identificá-lo e conceituá-lo ao mercado. Precisa de “nome”, “marca”, “slogan”, “divulgação”, etc. Num segundo momento, precisa definir qual seu mercado viável: o que é bem representado pela palavra “segmentação de mercado”, escolher o público que se quer e que se vai atingir. Depois, ele precisa traçar “estratégias midiáticas” para atingir com pleno êxito e sucesso esse mercado. É aí que entra o profissional da mídia: ele transporta o produto daquele profissional da empresa “X” conhecido ao mercado “Y”, através da mídia certa, feita da maneira correta e dirigida ao público certo, da forma como deve ser.

E para que serve o planejamento de mídia? Ele serve, basicamente, para planejar o posicionamento do bem/produto/serviço no mercado e programar aquela estratégia que irá dar certo para o bem/produto/serviço chegar ao mercado e ser consumido pelo público-alvo. Planejar não é prever o futuro, mas sim avaliar cenários, variáveis e condicionalidades para agir de forma acertada e precisa naquilo que se propõe alcançar e atingir.

Outro exemplo prático: um empreendimento “1” quer lançar no mercado “2” uma linha de produtos “3”. Como realizar isso? Através da mídia é óbvio! Mas e quem faz isso? O profissional de mídia-marketing. Aqui é interessante notar a junção dessas palavras, pois isso significa que “divulgação” vem junto com “vendagem”. O que o empreendimento “1” quer é que chegue ao seu segmento de mercado “2” aquela linha de produtos “3” e que venda, pois é assim que um empreendimento ou empresa prospera: criando, produzindo e vendendo!

Mais um exemplo prático: digamos que um comércio ou empresa de serviços “W” quer chegar ao conhecimento do segmento de mercado “Z”. Nesse caso, o aspecto a ser considerado é o próprio comércio e a própria empresa em si. Como é que se faz isso? E o mais importante: quem faz isso para a empresa? Resposta: É o Planejamento de mídia e o profissional de mídia-marketing. A união de comunicação com vendas é fundamental. É preciso compreender o negócio, seu produto ou seu serviço para se atingir a meta: o segmento de mercado almejado. Isso é bastante lógico, porém não é tão fácil quanto pode parecer ou todos os profissionais de todas as empresas que vendem produtos e serviços seriam conhecidos de todo mundo; porém, apenas alguns conseguem conceituar-se, posicionar-se e consolidar-se no mercado. O fator que determina isso são as estratégias de mídia-marketing.

Então, é por isso que o planejamento de mídia é tão importante: é através dele que é possível que um bem, um produto ou um serviço consiga resultados positivos num mercado específico. Dadas essas explicações, já se torna mais evidente que em uma Equipe de empreendedores e empresários, em geral, sempre tem que haver aquela pessoa ou equipe de mídia (que em alguns casos é a de mídia-marketing), responsável pelo plano de mídia. Que isso fique bem entendido: profissionais de mídia, não amadores. Porque desses profissionais depende a aceitação ou não do bem, produto ou serviço a promover.

Mais um exemplo: porque em alguns comércios, empresas, supermercados e lojas há determinadas características que chamam mais a atenção, atraem, convencem e captam clientes? Porque o plano de mídia fora bem feito, bem executado, por profissionais capazes e competentes para tal fim. E isso vale para o setor público tanto quanto para o privado. Pois de certa forma, uma instituição pública é um “empreendimento público”, com desafios, metas e públicos a atingir, que no nosso caso são coletividades mais amplas, porém definíveis e acessáveis por mídia. É para isso que se contratam, por exemplo, jornalistas, publicitários e propagandistas para o serviço público: para que nós que somos cidadãos, pagamos impostos e cumprimos com nossas regras de conduta em sociedade possamos ser atendidos com bens, serviços e, porque não dizer, produtos públicos, dentro de padrões de quantidade e de qualidade aceitáveis, recebendo informações corretas. De forma semelhante, em uma instituição particular, os jornalistas, publicitários e propagandistas realizam o papel de tornar aquela empresa privada acessada, conhecida e solicitada por seu público-alvo, gerando produtividade, fabricação, comercialização e vendagem.

Lembrando sempre que mídia-marketing serve para instituições públicas e privadas, há nichos de mercado para profissionais da mídia e do marketing em todo tipo de mercado. É ao fazer com que os clientes/consumidores/públicos compreendam essas noções que vamos conseguir tornar esses entes competitivos, dedicados e proativos, pois se prestam a solucionar problemas de consumo, seja ele de caráter público ou privado. Dito isso, analise você o seu mercado: você já “existe” no mercado? você está “conceituado”? está “posicionado”? está “sendo mostrado” o que você faz? o seu bem, produto ou serviço está “disponível”? Respondidas essas perguntas, você notará rapidamente que a comunicação – mídia – está envolvida nesse processo, direta ou indiretamente.

Bem, eram essas as informações que gostaríamos de tentar passar por aqui no blog, de forma o mais simples, rápida e compreensível para você notar o quão importante e oportuno é o planejamento de mídia. São noções que todos nós mesmos devemos ter e utilizar em qualquer ramo de atividades em que estejamos atuando. Escolha bem o profissional ou equipe que irá trabalhar a sua comunicação, a sua mídia-marketing (mix mídia-marketing!), seu portfólio e acerte em cheio nos resultados. Progrida, avance, evolua! Bom trabalho à frente!

(Por: João Paulo Santos Mourão.)

Árvore Pedro II Comunicação.

 

Primeiro post do blog

Este é o resumo do post: Dicas de Comunicação em geral; Ramos da Comunicação; mídia e projetos de comunicação e afins; tipos de texto midiático; peças de comunicação; serviços de Aconselhamento, Consultoria e Assessoria; revisão de trabalhos e projetos.

Este é nosso primeiro post, sejam bem-vind@s.

Comunicador Social
Árvore Pedro II Comunicação – João Paulo Santos Mourão (jornalista responsável)

Começamos aqui a falar para você do MEI Árvore Pedro II Comunicação, empreendimento no segmento de mídia e projetos,  que visa sobretudo dar dicas de comunicação em geral para quem está começando e inserir os projetos de nossos clientes com a qualidade de conteúdo que o mercado exige, com as características peculiares que venham a identificá-lo e melhorarem seu relacionamento com o público-alvo.

A Comunicação é uma Área do Conhecimento bastante vasta, que engloba hoje diversos ramos e tem afinidades com outros: Assessoria de Comunicação, Assessoria de Imprensa, Relações Públicas, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Mídia-Marketing, Rádio&TV, Design Gráfico, Webdesign, Design Universal, Empreendedorismo, etc. Por meio da Comunicação Social é que as pessoas se comunicam, seja em um texto impresso, em rádio, em TV, num web-texto para internet, em mídias sociais, em cinema, em documentário, etc. É preciso estar ligado e antenado com as mídias certas para cada necessidade e ocasião.

No texto impresso, que é o utilizado na maioria dos casos, podem haver vários tipos, ideais caso a caso: cerimonial de eventos, resumo, resenha, relise jornalístico, relise publicitário, texto de divulgação oficial, etc. que se adéquam a cada ocasião.

Já em veículos eletrônicos como Rádio e TV, há textos específicos: o roteiro, o script, a vinheta, o spot, o vt, o anúncio, etc. que são produzidos e editados para dar suporte às peças de comunicação a serem produzidas para fins específicos.

Na world wide web ou simplesmente “www” (que é o que se chama convencionalmente de internet), há formas textuais diversificadas para cada tipo de produção: da nota mais simples até uma web-reportagem ou uma campanha publicitária para web, em blogs, sites, portais, compreendendo inumeráveis categorias.

Nas redes sociais, em aplicativos de comunicação como o twitter, whatsapp, instagram, facebook, messenger, apenas para citar alguns dos mais usuais, também é necessário saber “contextualizar” suas inserções, pois é um ramo de mercado bastante segmentado, ágil, dinâmico e que requer conhecimentos profissionais para posts também profissionais.

O motivo porque iniciamos e estamos com esse empreendimento Árvore Pedro II Comunicação é o de poder oferecer aos (às) clientes interessados(as) a oportunidade de realizarem seus projetos com conteúdo bem elaborado, a fim de criar suas peças de comunicação ou projetuais de maneira organizada, correta e com conteúdo certo. Assim, prestamos Aconselhamento, Consultoria e Assessoria à realização de conteúdos de comunicação social, além de atuarmos com revisão de trabalhos e projetos, de forma a aperfeiçoar e garantir aos (às) interessados(as) o melhor resultado final de seus projetos.

Informamos aos (às) leitores(as) que o motivo pelo qual iniciamos este blog  é o de informar dicas de comunicação, mostrar nossos serviços e colaborar para a expansão da área de Comunicação na região, através de bons projetos, trabalhos consistentes e inovações possíveis nas linguagens.

Por fim, destacamos que “a Comunicação está presente em todas as ações do ser humano”, do acordar ao deitar-se, do café da manhã ao jantar, do quarto, da casa até as ruas, as praças, as lojas e as empresas, e o que planejamos aqui é fazer com que esse entendimento venha a motivar as pessoas a fazerem projetos de qualidade com o qual buscamos dar nossa parcela de contribuição.

Sejam assim todos(as) bem-vindos ao mundo da Árvore Pedro II Comunicação!

Conte conosco!

post

%d blogueiros gostam disto: